Aprendendo a lidar com correções em aulas de dança na adolescência

CONTEÚDO VIP

Inscreva-se e receba o e-book

"Vínculo em aulas de dança"!

A dança, de forma geral, é muito técnica. Por isso, a partir de certa idade, o aluno é cada vez mais cobrado. A dinâmica de sala modifica, a exigência aumenta e o professor corrige mais que elogia. Este é um processo natural na dança. Em especial, a partir da adolescência. Porém, pode ser uma transição difícil para o aluno.

Em muitos casos, este aluno sonha em trabalhar com a dança devido à sua paixão por esta arte. Porém, com a mudança de dinâmica e cobrança em sala de aula começam a perceber outro lado da dança. O mesmo acontece na escola regular e em qualquer atividade que o adolescente pratique. Afinal, ele está começando a entrar no mundo adulto.

É preciso aprender a lidar com esta nova dinâmica. Desta maneira criamos cenários do mundo adulto e facilitamos a adaptação do aluno às novas exigências. Este processo é imprescindível para um desenvolvimento saudável. Afinal,  os alunos precisam ser preparados para o mundo adulto. No entanto, este processo pode não ser tão fácil.

Para o professor: entenda que cada aluno é único com suas experiências individuais. Alguns se adaptam com facilidade e outros não. Portanto, é necessário adaptar a cobrança para cada um, relatar aos pais e facilitar com o uso de diálogo aberto.

Além da cobrança sobre a técnica o professor precisa se atentar sobre a exigência sobre o corpo. O adolescente precisa se adaptar com o novo corpo da puberdade. Infelizmente bailarinos, especialmente desta faixa-etária, representam uma população de risco para Transtornos Alimentares, como bulimia ou anorexia. Neste sentido, não cabe ao professor fazer exigências quanto a forma física do bailarino.

Para o aluno que não sabe lidar com esta nova fase: calma! Todo professor quer que seus alunos melhorem cada vez mais. Seu professor está mudando o formato de ensino por que você também está em fase de mudança e é capaz de lidar com isso. Se você acredita que o professor pode estar “pegando no seu pé” ou “não está dando atenção” converse com ele.  Isso vai clarear sua mente e fazê-lo compreender o que, de fato, está acontecendo.

A nova fase de cobranças não pode ser eternamente adiada. Não podemos evitar a preparação dos alunos para a vida adulta. É preciso aprender. Mas é possível tornar este processo muito mais fácil. Lembre-se: coloque o diálogo sempre em primeiro lugar! 

Maria Cristina Lopes. Sou formada pela PUC-Rio e mestranda pela Universidade de Coimbra. Trabalho com a dança desde 2013 e desenvolvi o 1º curso de psicologia da dança do Brasil em 2016. Sou defensora da área de psicologia da dança, atendo bailarinos, ofereço consultoria para escolas e companhias e capacito professores e psicólogos nesta área promissora.
Contatos: mariacristinalopes@gmail.com | 21 99305 3432