#2ª Trapaça: nossa memória é curta!

Sim, nossa memória é muitíssimo curta. Principalmente em um primeiro momento, quando estamos codificando uma nova informação. Portanto, se queremos emagrecer X quilos não adianta pensarmos apenas na linha de chegada. Nosso cérebro não vai aguentar! Precisamos fracionar nossas metas em objetivos atingíveis a curto prazo (uma ou duas semanas no máximo).

E mais uma dica: depois de atingir o objetivo de curto prazo se dê um presente, um agrado (lembra da trapaça prazer/desprazer? Que tal trapacear o cérebro dando algo positivo?), como um passeio legal, uma massagem, um dia relaxante, etc.?

Maria Cristina Lopes. Psicóloga do emagrecimento. Ajuda pessoas a utilizar suas próprias capacidades para aumentar seu bem estar, se desenvolver, atingir objetivos e ter mais qualidade de vida! ​Alcança mais de 30 mil pessoas nas redes sociais com conteúdos e postagens motivadoras. 

Duas trapaças do seu cérebro que te impedem de emagrecer

Nosso cérebro funciona de uma maneira que pode estar nos impedindo de emagrecer. E o mais impressionante é que a grande maioria das pessoas não sabe disso. Vamos conhecer este funcionamento e trapaças do cérebro?

#1ª Trapaça: tudo é desprazer!

Nosso cérebro codifica as informações primariamente em duas categorias: prazer e desprazer. Agora imagine: fazer dieta, exercícios, mudanças de hábito e programações chatas serão codificadas como? Provavelmente na categoria desprazer, certo? Certíssimo!

Geralmente começamos o processo de emagrecimento de forma totalmente errada: fazemos exercícios que não suportamos, temos uma dieta que odiamos e super restritiva, etc. Não procuramos algo que seja interpretado como prazeroso.

Provavelmente ainda não sabemos sobre atitudes saudáveis que nos dão prazer. Mas não é tarde para descobrir. Fazer aulas experimentais é uma boa ideia. A vida não termina na academia. Existem várias atividades disponíveis por aí: dança, pilates, natação, yoga, caminhada, etc.

Também em relação a alimentação precisamos testar. Provavelmente já sabemos que tipo de doce gostamos mais, mas não sabemos que tipo de salada gostamos mais, ou que receitas saudáveis são mais saborosas. É preciso testar.