- Preparação psicológica

O bailarino poderá estar em diversos contextos de competição. Para muitos bailarinos, este pode ser o momento de maior estresse em suas carreiras. A realização de que serão julgados pode colocar sobre o bailarino uma pressão maior do que a que ele pode suportar, principalmente quando este bailarino não teve um apoio psicológico durante a sua preparação. Em um ambiente de competições, estar preparado mentalmente é tão importante quanto a preparação física.

Para ajudar na preparação, já enquanto crianças, elas devem ser expostas a ambientes competitivos de forma gradativa. Ou seja, é preciso fazer com que o bailarino esteja familiarizado com as situações que ele irá enfrentar durante as competições.

Conclusão

Ensinar dança pode ser uma tarefa ainda mais complexa do que outros ensinamentos. Isto porque a dança envolve não apenas um grande esforço físico do bailarino, como o esforço psicológico.

A psicologia poderá auxiliar o professor responsável a entender como incentivar e preparar o bailarino da melhor forma possível. De forma que ele se transforme em um bailarino capaz de lidar com qualquer situação, ao invés de apenas replicar em palco aquilo que lhe foi ensinado.

Dessa forma, o aprendizado ocorreu de forma mais eficiente, transformando aquele sujeito em um bailarino mais competente. 


>> Leia também: O que é a psicologia da dança?


COMO FAZER REFERÊNCIA A ESTE ARTIGO:

Lopes, M. C. (2020, abril 24). Psicologia da Dança: Estratégias de motivação em aulas de dança [Blog]. Recuperado de: https://www.mariacristinalopes.com/psicologia-da-dan-a--estrat-gias-de-motiva--o-em-aulas-de-dan-a.html

homens bushmen dançando

Maria Cristina Lopes. Sou formada pela PUC-Rio e mestre pela Universidade de Coimbra. Trabalho com a dança desde 2013 e desenvolvi o 1º curso de psicologia da dança do Brasil em 2016. Sou defensora da área de psicologia da dança, atendo bailarinos, ofereço consultoria para escolas e companhias e capacito professores e psicólogos nesta área promissora.
Contatos: mariacristinalopes@gmail.com | 21 99305 3432 

homens bushmen dançando

Psicologia da Dança: Estratégias de motivação em aulas de dança

Ensinar vai muito além de apenas compreender as técnicas e os conteúdos que deverão ser passados para os alunos. Por vezes, o método de ensino pode ser tão importante quanto o conhecimento técnico acumulado pelo professor.

Na dança há principalmente a necessidade de encontrar formas de ensino que sejam mais saudáveis. Afinal de contas, o objetivo é estimular os alunos a aprenderem uma arte. Porém, más técnicas de ensino podem significar problemas de bem-estar dos alunos. Podendo inclusive afetar como eles se sentem com relação a dança.

Para essa função, o papel do psicólogo se torna essencial com o objetivo destrinchar formas de ensino que são mais eficientes, e que abrangem uma diversidade de alunos. Afinal, nem todos os alunos são iguais, e precisam de ensino diferenciado. Em muitas instituições de ensino, incluindo as de dança, pode haver hábitos que são extremamente prejudiciais ao desempenho dos alunos.

Devido a importância do papel do professor e do psicólogo em garantir que o processo de aprendizado seja saudável para todos os envolvidos, há a necessidade de entender os problemas que podem ser destacados na maior parte dos métodos de ensino.

maria cristina lopes psicóloga da dança

Dificuldades no ensino

Em algumas instituições de ensino, inclusive da dança, apenas um modelo de ensino é abordado. Dessa forma, as particularidades de cada aluno não são levadas em consideração. A consequência dessa abordagem pode ser o desinteresse por parte de alguns alunos, que serão então excluídos uma vez que suas individualidades não são consideradas.


Assim, a culpa pela dificuldade de aprendizagem pode recair sobre o próprio aluno. Pois acredita-se que houve preguiça ou falta de interesse. No entanto, esse desinteresse pode por vezes ser consequência de um método de ensino falho aplicado pelo professor.

Um dos motivos para a falta de preparação dos professores é a falta de conhecimento em áreas como a psicologia e a pedagia. Eis que a presença de um profissional capacitado nestas áreas se torna ainda mais essencial. É necessário que o professor em questão esteja ciente dos diferentes métodos de ensino. Assim como o que fazer para incentivar os alunos, oferecendo chances similares a todos.

Ser um professor eficiente se trata muito mais do que apenas pensar no conteúdo técnico e teórico de forma rígida. É necessário entender que antes de alunos, estamos falando de pessoas. Por vez, elas precisam do estímulo correto para terem uma aprendizagem adequada.

Estratégias de motivação

- Feedback

Muitos professores costumam focar nos erros, ao invés de focar nos acertos de seus alunos. No entanto, a estratégia de recompensa pode ser utilizada e é bastante eficiente. Uma vez que o aluno realize uma atividade corretamente, elogie (esta é uma poderosa ferramenta de recompensa). Essa ação trivial e que pode parecer simples poderá incentivar o aluno a continuar se dedicando e realmente compreender em que pontos está acertando. Além disso, há o aumento da autoestima e confiança do aluno. Ambos, por sua vez, são fatores essenciais para o seu desempenho.

- Dar voz ao aluno

Há uma certa hierarquia na sala de aula, mesmo em estúdios de dança. Professores podem acabar extrapolando esta ação, afastando o aluno. Em um ambiente de ensino, todas as partes estão constantemente em processo de aprendizagem.

Por isso, é importante dar voz ao aluno. Perguntar-lhe no que está tendo mais dificuldade, no que está tendo maior facilidade. Questionar sobre alguma dor e desconforto. Estimular o aluno para que a aula se torne uma troca de experiencias, e ele não se sinta invisível aos olhos do professor.​ Valorizar relação entre aluno professor

A autoridade do professor em sala de aula é, de fato, importante. Ela garante que os alunos possuam respeito pela autoridade apresentada, seguindo os seus ensinamentos. No entanto, este respeito não deverá ser conquistado pelo medo do aluno.

Quando o professor consegue criar uma relação de confiança com o aluno, ele é capaz de se abrir com maior facilidade e a comunicação entre professor e aluno é essencial. Logo, o professor deverá evitar ações que possam, na verdade, afastar os seus alunos. Eles não devem ter medo do professor, mas sim admiração e respeito.

- Apoio da família e colegas

É comum que haja o estimulo a competitividade entre os alunos. Principalmente em aulas de dança. No entanto, este incentivo pode acabar resultando em efeitos prejudiciais, ao invés de benefícios.

Além disso, a competição constante poderá acarretar em baixa autoestima. Bailarinos podem aumentar pressão sobre si mesmos e exigirem demais de seus corpos. Os resultados podem ser transtornos alimentares e lesões recorrentes.

Por isso, é essencial que o professor incentive competições saudáveis. Porém, que acima de tudo, haja o incentivo ao apoio entre os alunos. Assim como, junto ao psicólogo, a orientação aos pais para que este apoio esteja estendido ao ambiente domiciliar. 


>> Leia também: O que é a psicologia da dança?

Maria Cristina Lopes Quando a mente está leve a dança flui Psicologia da dança